Conheça o revolucionário iPhone X

Na tarde desta terça-feira, o mundo da tecnologia parou para ouvir as palavras de Tim Cook e sua trupe. A grande novidade do anúncio era a nova menina do olhos da Apple, o iPhone X (lê-se “dez”). Fazendo referência aos dez anos do lançamento do primeiro smartphone da marca, o modelo representa a mudança mais radical que a linha iPhone já passou. A versão X inova em relação às anteriores por incorporar o conceito de tela (quase) infinita. Quase sem bordas, a tela será ainda maior, com 5.8 polegadas, cerca de 14,32 cm. Ela tem tecnologia OLED e extingue o tradicional botão de home. Agora, para voltar à tela inicial do iPhone X, basta deslizar o dedo de baixo para cima.

Mas a maior gracinha veio com a nova forma de desbloquear seu aparelho. Graças à função Face ID, impressão digital, senhas numéricas e outros tipos de combinações de segurança viraram coisa do passado. A nova técnica reconhecerá seu rosto e só liberará o uso quando você olhar diretamente para o celular. E o melhor: você não precisará ficar ensinando seu rosto para o telefone sempre que mudar de penteado ou colocar um óculos, por exemplo. As potentes câmeras frontais da versão X dão conta do recado, identificando com detalhes as suas feições.

Essa potência na captação de imagem, além de dar ao usuário autonomia digna de um fotógrafo de estúdio, permitiu a criação de um recurso bastante interessante: controlar emojis com seu próprio rosto, fazendo suas expressões e voz passarem para a figurinha. Sempre sonhou mandar para alguém aquele emoji de cocô bravo e cantando alguma música com a sua própria voz? Com o iPhone X, você vai poder. A técnica tem o nome de “animoji” e chega a ser bizarra, de tão precisa. Você pode assistir à demonstração neste link.



Outra novidade é o recurso de bateria “sem fim”. Para carregar seu celular sem precisar de cabos, basta encontrar lugares que disponham pequenas centrais de indução magnética. A Apple, inclusive, já fez parcerias com redes de hotéis e lojas de departamento para que os usuários de iPhone tenham essa facilidade. A nova versão tem previsão de lançamento para o dia 3 de novembro – mas pode-se solicitar opção de compra já no dia 27 de outubro. A versão de 64 GB sairá pela “bagatela” de US$ 999. Sim, mais de R$ 3.100.

Nem 7s, nem 7s plus

Se a versão X supreendeu, o iPhone 8, outra estrela da tarde, trouxe apenas mudanças discretas em relação ao seu antecessor. No design, o único destaque fica para a nova proteção de vidro colocada na parte dianteira – até o popular botão de home foi mantido. Serão dois tamanhos: enquanto o original medirá 4,7 polegadas, a tela do iPhone 8 plus será de 5,5. A versão de 32 GB foi aposentada, e os novos aparelhos serão somente de 64 GB ou 256 GB.

Os ganhos de fato aparecem nas novas funções da câmera e no processador: o Apple 11 bionic promete ser até 25% mais rápido fazendo duas tarefas do que iPhone 7. A versão plus da câmera conta com dois sensores de 12 MP, com aberturas diferentes (f/1.8 e f/2.8) – semelhante ao iPhone X. Isso permitirá que as lentes captem 80% mais luz do que a versão anterior, e deem ao usuário um controle maior da luz na imagem. A alta qualidade na captura permitirá fazer vídeos em 4k, e aproveitar diferentes recursos de realidade aumentada – como ouvir o som mais alto ao aproximar o aparelho da ação ou puxar para a tela estatísticas de um jogador durante uma partida de basquete, por exemplo.

Na gringa, o lançamento oficial ficou para o dia 22 deste mês. A versão regular custará US$ 699, e a plus, US$ 799 – entre R$ 2200 e R$ 2500.

Veja também
  • TecnologiaVazamento revela iPhone 8 com mudanças drásticas de design21 jun 2017 - 12h06
  • TecnologiaComo será o iPhone 8, segundo os boatos mais pertinentes6 jun 2017 - 13h06


Apple Watch

Outro promissor produto da Apple também ganhou destaque na conferência desta tarde. A terceira geração do relógio inteligente da Apple será a primeira a funcionar de forma completamente independente do iPhone. Graças à rede de dados própria do dispositivo, o usuário não precisará mais andar para cima e para baixo com com seu celular, já que não vai necessitar mais de pareamento por bluetooth. Isso permitirá, por exemplo, que você saia para dar uma volta de bicicleta e deixe o telefone em casa – sem se desconectar com o resto do mundo.

Utilizar serviços de GPS, ouvir música da Apple Store, pedir alguma tarefa para a Siri e, principalmente, fazer e receber ligações. Tudo isso será possível com o eletrônico de pulso da Apple – a marca de relógios mais vendida no mundo, segundo Tim Cook, atual CEO. Como era de se esperar, o apelo esportivo também foi reforçado. A implementação de um feed de atividades físicas, novas funções para nadadores e um altímetro (para saber a altura do morro que você está escalando, caso você for um fã de aventuras) também entram no pacote.

A função de monitor cardíaco, aliás, ficará mais em evidência. Em uma parceria com a Universidade de Stanford, a empresa lançou o Apple Heart Study, que promete analisar os dados dos corações dos usuários e indicar se eles estão com algum problema cardíaco – como arritmia. Mais novidades sobre isso devem vir até o fim do ano. O Apple Watch custará US$ 399. Assim como o iPhone 8, ele também será lançado no dia 22 de setembro, em 35 países. Os brasileiros, como sempre, terão que esperar mais um pouco nessa também.

What do you think?

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.