Uganda acolhe 900 mil refugiados sul-sudaneses que necessitam de ajuda

Uganda já acolhe mais de 900 mil refugiados sul-sudaneses que necessitam urgentemente de assistência humanitária, o que representa mais que todas as solicitações de asilo concedido pela Europa no ano passado, apontou nesta quinta-feira (18) em comunicado a ONG Médicos Sem Fronteira (MSF). A Informação é da Agência EFE.

De acordo com esta organização, mais de 630 mil refugiados chegaram ao Norte de Uganda desde julho de 2016, quando voltou a explodir a violência no Sudão do Sul entre rebeldes e o Exército, e milhares de sul-sudaneses continuam fugindo a cada semana ao país vizinho.

"O total de refugiados sul-sudaneses e solicitantes de asilo é 900 mil, e Uganda é agora o país que mais refugiados acolhe na África e que aceitou mais refugiados que o número de pessoas que receberam asilo na Europa em 2016", aponta MSF.

Esta organização indica que os sul-sudaneses que chegam ao Norte de Uganda têm um estado de saúde "relativamente bom", mas muitos experimentaram "uma violência horrível" em seus locais de origem ou durante o trajeto.

O alcance da chegada de refugiados a esse país levou até o limite as "políticas progressistas" de Uganda em matéria de refugiados e afetou a capacidade do Governo de responder ao grande fluxo de sul-sudaneses.

"Apesar da grande mobilização humanitária, a resposta de emergência ainda está longe de ser suficiente e muitas pessoas não têm água, comida e refúgio suficiente", afirmou o chefe da missão da MSF em Uganda.

Muitos refugiados recém-chegados têm que dormir debaixo de árvores e há atrasos na distribuição de comida e de água potável, algo que inclusive fez com que alguns sul-sudaneses voltassem a seu país perante as carências que sofrem nos acampamentos.

A isto se soma o fato de que, apesar de 85% das pessoas chegadas novas ao Norte de Uganda serem mulheres e meninos, não há uma resposta e proteção específica para as "estendidas violações" com este grupo.



Comentar

comentários

Tags:, , , , ,

What do you think?

Comments

You must be logged in to post a comment.