Espionagem na escala milimétrica

[Imagem: camera_man_spying_from_car-940x350.jpg]






Espionagem na escala milimétrica




A tecnologia alemã voltou a dar um grande passo em direção a outra novidade inovadora em imagem e impressão, pois lançou sua mais nova ferramenta de imagem que não é maior que um grão de sal.



Pesquisadores da Universidade de Stuttgart desenvolveram uma câmera em miniatura usando uma nova técnica de impressão 3D. Especialistas dizem que a técnica engenhosa fornece precisão sub-micrômetro que permite aos usuários imprimir em 3D sistemas ópticos contendo quatro lentes. O sistema multi-lente resultante proporciona uma oportunidade para ajudar a corrigir a aberração, uma condição em que as lentes não conseguem trazer todos os comprimentos de onda de cor para um único ponto focal, o que por sua vez pode facilitar imagens de maior qualidade a partir de dispositivos menores.



Os pesquisadores desenvolveram as lentes 3D por jateamento de um material sensível à luz sobre um substrato de vidro com um laser de femtosecond, que tem durações de pulso menor que 100 femtoseconds. O material então absorveu dois fótons que o expuseram e ligaram os polímeros reticulados dentro do material. O material não exposto foi lavado utilizando um solvente, deixando o polímero reticulado endurecido que servirá então como o elemento óptico.



O diâmetro da lente resultante mede cerca de 120 milionésimos de metro, o que o torna facilmente tão pequeno quanto um grão de sal de mesa. As lentes podem ir de largas para estreitas e podem fornecer baixas a altas resoluções de imagem. Cada uma das lentes tem uma linha de visão específica - clara no centro, embaçada nos lados - coberta por uma curvatura no final. Este mecanismo imita como a fóvea, a pequena depressão no meio da retina, recolhe a luz, e como o cérebro conecta imagens de ambos os olhos para chegar a uma imagem única e distinta.



O método inovador vai permitir que uma variedade de desenhos passem por testes para chegar a imagens de alta qualidade. Os pesquisadores também observaram que, porque é impresso em uma peça a lente é mais fácil de configurar. Qualquer configuração que foi projetada em um computador pode ser prontamente impressa e usada, disseram os pesquisadores. A lente também pode ser impressa em sensores de imagem além da fibra óptica.



O método de imagem permitiu que os pesquisadores imprimissem componentes para microscópios ópticos de 125 micrômetros e os ligassem a uma fibra óptica fina de 1,7 m. A câmera no final deste endoscópio pequeno tem a capacidade de se concentrar em imagens de uma distância de 0,12 polegadas O sistema de imagem inteiro se encaixa perfeitamente dentro de uma agulha de seringa, que abre possibilidades para entrega direta para vários órgãos, incluindo o cérebro. Pesquisadores disseram que os usos futuros deste sistema de câmera altamente miniaturizado podem incluir imagens menos invasivas do corpo.





Especialistas citam limitações iniciais da câmera





Para avaliar ainda mais as várias aplicações da lente, os desenvolvedores também imprimiram ela em um chip de imagem CMOS, a fim de chegar a um pequeno sensor. Os pesquisadores observaram que o mecanismo de fabricação era rápido e, eventualmente, pode se traduzir em drones câmera menores. "O tempo da ideia, o projeto da óptica, um modelo de CAD, para a acabada, impressa em 3D micro-objetiva vai ser menos de um dia. Nós vamos abrir potenciais assim como o projeto assistido por computador e a fabricação integrada por computador fizeram na engenharia mecânica há alguns anos", disse o professor Harald Giessen, do 4º Instituto de Física da Universidade de Stuttgart.



"Outras melhorias incluem revestimentos anti-reflexo nas lentes, quer por revestimentos ou por nanoestruturação; O uso de triplets ou mais elementos de lente para correção de aberração; E a inclusão de batentes de abertura de absorção. Com tempos de fabricação de 1 a 2 horas para uma lente objetiva, a fabricação de grandes volumes com custo acessível é difícil no momento. No entanto, a impressão apenas da casca e de uma moldura de suporte lamelar com cura ultravioleta, pode reduzir o tempo de fabricação ... ", acrescentaram os pesquisadores.



A pesquisa foi publicada na revista Nature Photonics.



Fontes: http://newstarget.com/2017-03-17-smart-d...story.html



https://3dprintingindustry.com/news/3d-p...ee-105870/



http://advances.sciencemag.org/content/a...5.full.pdf







Comentário: As capacidades que a tecnologia nos dá pode ser algo perigoso quando usado para fins maléficos. Observem as gigantes falhas de segurança nos nossos aparelhos eletrônicos, celulares, Smart TVs, entre outros, que estão sendo exploradas pelas agências de inteligência do mundo todo para espionar os cidadãos de seus países, agora nós temos mais uma invenção excepcional, que permitirá quem sabe obter imagens do interior do organismo com técnicas menos invasivas a fim de melhorar a medicina, entre outras aplicações que podem ser revolucionárias, mas imaginem vocês, quanto tempo vai demorar até que alguma agência mal intencionada comece a adaptar esta nova tecnologia para ficar espiando o que os outros fazem?



Então, se a privacidade já é mínima agora com os nossos aparelhos sendo usados pela CIA, NSA, entre outras, para coletar dados sobre nossas vidas pessoais, imaginem o que vai restar da privacidade quando as câmeras do tamanho de um grão de sal estiverem disponíveis por ai, dai acabou a privacidade que restava, vai ser complicado rastrear onde uma microcâmera destas poderia estar escondida em nossas residências ou no nosso trabalho.



Infelizmente, os outros saberão mais de nós e de nossas empresas do que nós mesmos saberemos, lamentável.


Comentar

comentários

Tags:, ,

What do you think?

Comments

You must be logged in to post a comment.